Interação editorial e digital

Em tempos de lançamento do GTA 5, começam as indagações de como comunicarmos um produto no mundo offline e online porque um não descarta o outro. O jogo

possui um site com estatísticas do seu desempenho e onde você pode empregar seu “dinheiro” para conseguir mais aditivos no jogo e ser mais competitvo.

No mercado cinematográfico isso já acontece, o melhor exemplo disso é o filme Prometheus, que criou narrativas diferentes em sites e redes sociais. O personagem David tem redes sociais bem como a empresa – que também é um personagem; além do site que detalha certos conceitos do filme [https://www.weylandindustries.com/david]. Independente da qualidade do filme, houve um burburinho anterior ao seu lançamento e uma apresentação do que seria a narrativa proposta.

No mercado editorial, britânicos e americanos começaram essa jornada e isso inclui autores independentes como The novel cure [http://thenovelcure.com/news] em que o leitor descobre detalhes do livro, discute com outros leitores e com as próprias autoras e pode até mesmo comprar o livro pelo site.

 

Ou os famosos guias Rough Guide, que além do seu site, tem uma rede social e nesta semana o app foi lançado [http://www.roughguides.com/[.

As redes sociais têm poder de feedback. Lembre-se que o novo consumidor e leitor é diferente do consumidor de antes, ele ouve e vê sua ação mas quer falar e ser ouvido sobre seu produto.

É a era da participação e o cliente ou leitor é parte importante desse processo. E como disse Bezos:“Complaining is not a strategy.”

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *